Espirometria, o que é?

Ciao,

O assunto de hoje é mega importante, e aproveitando o curso que será dado sobre o assunto nos dias 30 de Setembro e 1 de outubro de 2017 no Rio de Janeiro pelo  Dr Jose Rocha Cunha e pela Dra. Patricia Mentges {dois profissionais incríveis que fazem parte do time do Instituto Projeto Escoliose Brasil}, resolvi escrever essa informação tão importante aqui no blog também.

Pegando como referência o texto postado pelo Instituto Projeto Escoliose no instagram “espirometria trata-se um exame simples, não invasivo, que avalia a função mecânica ventilatória. É um teste muito utilizado na prática clínica em diversas frentes, a saber: pré-operatório de cirurgia cardíaca, torácica, abdominal, cirurgia bariátrica, acompanhamento regular em atletas das diversas modalidades, como acompanhamento de profissões que envolvam repercussão ventilatória, em medicina do trabalho como exame admissional, diagnóstico de comprometimento restritivo, obstrutivo e misto da função ventilatória e como acompanhamento regular do efeito de medicamentos broncodilatadores no paciente obstrutivo e misto. De forma fundamental, também é indicado na avaliação do comprometimento ventilatório na escoliose, com ou sem presença de quadro respiratório concomitante, como por exemplo, asma, mucoviscidose, bronquite crônica, enfisema etc. Em relação à escoliose, a espirometria é mandatória no início do tratamento, durante e na fase de manutenção ou alta fisioterápica. É uma avaliação importante, não só para quantificar o grau de restrição e/ou obstrução, como também, para orientar procedimentos respiratórios durante o tratamento cinesiológico. Por se tratar de um teste não invasivo e que avalia função mecânica, está muito bem indicado para o fisioterapeuta comandar o exame, pois é o profissional apto a investigar possíveis alterações e efetuar procedimentos fisioterapêuticos baseados na espirometria. De forma crescente, são os fisioterapeutas que realizam a prova e, cada vez mais as seguradoras de saúde estão reconhecendo essa função. Infelizmente, o número de profissionais que estão inseridos nessa proposta ainda é reduzido.”

Esse post é mais uma tentativa de ir levando a informação correta sobre a escoliose adiante! Espero muito poder ajudar!

Com amor,

Tete

 

Livro “A menina da coluna torta”

Ciao,
Hoje vou falar sobre um livro que foi muito importante na minha trajetória e definiu parte dela. Logo quando descobrimos minha escoliose, meu pai começou a procurar e pesquisar na internet sobre o assunto, e foi quando ele encontrou o livro da Julia Barroso. Lembro que ele leu em uma tarde de tanto que ele gostou e se emocionou. Foi através desse livro que descobrimos o Instituto Projeto Escoliose Brasil, local onde eu faço meu tratamento e é de suma importância para minha escoliose. Na época foi, para mim, um amparo, como se eu não me sentisse sozinha e soubesse que era possível enfrentar tudo que viria pela frente, mesmo que essa trajetória parecesse meia incerta e confusa na época.
Viu como um livro e a leitura nos ajudam em muitos aspectos?! ❤
Retirei do site do livro um resumo feito pela autora:

“O livro “A menina da coluna torta” é uma história real. A minha história. Nele conto a experiência que tive com um grave desvio de coluna (escoliose) na adolescência, o uso do colete de Milwaukee e a operação. Além disso, falo das minhas viagens, paqueras, relação com os pais, abortos e outras coisas mais! É o relato sobre minhas dificuldades e superações. Com ele espero ajudar pessoas que atualmente se encontram na mesma situação que um dia estive e conquistar aqueles que querem apenas ler sobre uma história de vida. O livro conta ainda com depoimentos de pessoas que têm o mesmo problema e citações de profissionais da área sobre o assunto. Contamos ainda com dicas de moda da Patricia Veiga para quem precisa usar o colete ortopédico. Espero que gostem!” (http://www.juliabarroso.com.br/p/o-livro.html)

No próprio site há um link que direciona aos lugares de venda do livro. Vou deixá-lo aqui também: http://www.juliabarroso.com.br/p/basta-clicar-no-icone-da-livraria.html 
Só me resta agradecer à Julia por ter compartilhado a sua história de extrema superação e força e ao meu pai, que no meio daquela situação totalmente nova e desafiadora encontrou algo como esse livro para orientar o caminho do meu tratamento.
Se somos pessoas de bem, o bem vem até nós, nunca esqueçam disso.
(Fonte: http://www.juliabarroso.com.br/p/o-livro.html)
Com amor,
Tete

Conversa no Colégio La Salle

Ciao,

Post um pouco atrasado, mas daqueles que enchem o coração de alegria. Semana passada retornei à escola que estudei desde sempre para falar sobre uma iniciativa e causa tão importante: a Detecção Precoce da Escoliose. Agora o Colégio La Salle Xanxerê estará realizando o Teste de Adams nos alunos dos Ensinos Fundamental e Médio! Foi exemplar a forma como foi abordado pelo colégio todo esse assunto. Os alunos tiveram palestras explicativas sobre a escoliose, tanto do ponto de vista físico como também do psicológico. Dessa forma, o teste fará sentido e mais importância para eles.

 

Atitudes assim encorajam e incentivam cada vez mais à seguir nessa luta de conscientização no nosso país! E podem ter certeza, é só o começo!

Com amor,

Tete

Detecção Precoce Da Escoliose

Ciao,

O post é dedicado à importância da Detecção precoce da escoliose, feita, principalmente, pelo Teste de Adams.

O Teste de Adams é a base para o diagnóstico da escoliose, como citado por muitos autores, começa na triagem escolar. Por isso a importância de sua implantação, pois pode passar desapercebida, já que suas curvas não são imediatamente notadas de forma visual. Requisita-se que a criança ou adolescente flexione o tronco para frente com os pés juntos, sem dobrar os joelhos e com as mãos unidas. O examinador atrás e/ou na frente da pessoa observa se há algum desequilíbrio, alguma diferença na altura do tórax, de um lado em relação ao outro. Qualquer assimetria na caixa torácica ou outras deformidades ao longo das costas, pode ser um sinal de escoliose. 

Esse teste é de suma importância, pois através dele, possíveis casos de escoliose podem ser detectados e tratados.

A escoliose raramente envolve dor, podendo passar desapercebida. As curvas tem mais chances de agravamento nos picos de crescimento da adolescência e uma vez que progrediu em demasia, pode afetar a qualidade de vida e a saúde do paciente.

Vale a pena também ler o post feito pelo projeto escoliose. a respeito do assunto.

Espero ter ajudado,

Com amor,

Tete

Afinal, o que é escoliose?

Ciao,

O post de hoje é um dos mais importantes que já fiz. Sim, parece ser mega simples, afinal, é só digitar no google “escoliose” e pronto, já saberei a resposta, certo? Errado! É ai que mora o perigo. Hoje vemos muitas pessoas propagando a informação errada sobre a escoliose, comprometendo e muito a luta de quem prega pela difusão da informação correta e baseada em estudos científicos.

Antes de defendermos e propagarmos uma causa, nós temos que conhecê-la com propriedade, caso contrário, estaremos enganando nós mesmos, e o pior, muitas vezes prejudicando a vida de alguém. E isso é válido para inúmeras e mais diversas situações. Pensando na escoliose, acredito que o primeiro passo para quem queira engajar-se nessa luta, independente de ter ou não escoliose, tem que saber e muito bem, não tudo, mas boa parte do que essa deformidade envolve, tanto fisicamente como psicologicamente.

Busquei referência no canal do youtube do Projeto Escoliose {local onde faço meu tratamento}. Praticamente escrevi a parte do vídeo que fala sobre os conceitos mais teóricos sobre escoliose. Então vamos lá!

É uma deformação da coluna vertebral nos três planos do espaço. Há um deslocamento lateral, um deslocamento anterior e a torção {que da a sensação de estar tortx em quem tem escoliose}.

Dentro das patologias ortopédicas, a escoliose é a que mais deforma, por isso a importância de um tratamento e acompanhamento de qualidade e com seriedade e compromisso. Dados da OMS falam que 2 à 4% da população mundial tem escoliose {é MUITA gente}!!!!!

Escoliose estruturada e não estruturada

Escoliose estruturada: já houve uma deformidade pela capacidade de torção.

Escoliose não estruturada: o paciente tira uma radiografia da coluna de pé e outra deitado, e pode-se perceber que, ao deitar, essa escoliose desaparece.

Escoliose Idiopática

Idiopática para a medicina é sinônimo de: não sabemos a causa. Não se sabe porque que em determinado momento o corpo acha “certo” a coluna se torcer nos três planos do espaço. Esse tipo de escoliose compõe 80% dos casos.

Bom nos próximos posts estarei falando sobre uso do colete, tratamento conservador e detecção precoce. Dividi os assuntos para não ficar uma leitura tão cansativa!

Com amor,

Tete

 

 

 

 

Direitos e Deveres

Ciao,

Todo cidadão, para poder cumprir a sua função como tal, deve ter bem ciente quais são seus direitos e deveres. Para quem tem escoliose, surge uma série de dúvidas quanto à isso, como por exemplo em relação à vagas especias em concursos públicos {devem ser reservados de 5% a 20% para portadores de necessidades especiais}, descontos na compra de automóveis etc. Pensando nisso e atendendo ao questionamento de algumas pessoas conversei com minha prima Charlotte que é advogada e que então me sugeriu algumas pesquisas.

Copiando uma parte do decreto 3.298/99 temos que:

 

“CAPÍTULO I

Das Disposições Gerais

Art. 1o  A Política Nacional para a Integração da Pessoa Portadora de Deficiência compreende o conjunto de orientações normativas que objetivam assegurar o pleno exercício dos direitos individuais e sociais das pessoas portadoras de deficiência.

Art. 2o  Cabe aos órgãos e às entidades do Poder Público assegurar à pessoa portadora de deficiência o pleno exercício de seus direitos básicos, inclusive dos direitos à educação, à saúde, ao trabalho, ao desporto, ao turismo, ao lazer, à previdência social, à assistência social, ao transporte, à edificação pública, à habitação, à cultura, ao amparo à infância e à maternidade, e de outros que, decorrentes da Constituição e das leis, propiciem seu bem-estar pessoal, social e econômico.

Art. 3o  Para os efeitos deste Decreto, considera-se:

I – deficiência – toda perda ou anormalidade de uma estrutura ou função psicológica, fisiológica ou anatômica que gere incapacidade para o desempenho de atividade, dentro do padrão considerado normal para o ser humano;

II – deficiência permanente – aquela que ocorreu ou se estabilizou durante um período de tempo suficiente para não permitir recuperação ou ter probabilidade de que se altere, apesar de novos tratamentos; e

III – incapacidade – uma redução efetiva e acentuada da capacidade de integração social, com necessidade de equipamentos, adaptações, meios ou recursos especiais para que a pessoa portadora de deficiência possa receber ou transmitir informações necessárias ao seu bem-estar pessoal e ao desempenho de função ou atividade a ser exercida.

Art. 4o  É considerada pessoa portadora de deficiência a que se enquadra nas seguintes categorias:

I – deficiência física – alteração completa ou parcial de um ou mais segmentos do corpo humano, acarretando o comprometimento da função física, apresentando-se sob a forma de paraplegia, paraparesia, monoplegia, monoparesia, tetraplegia, tetraparesia, triplegia, triparesia, hemiplegia, hemiparesia, amputação ou ausência de membro, paralisia cerebral, membros com deformidade congênita ou adquirida, exceto as deformidades estéticas e as que não produzam dificuldades para o desempenho de funções;

II – deficiência auditiva – perda parcial ou total das possibilidades auditivas sonoras, variando de graus e níveis na forma seguinte:

  1. a) de 25 a 40 decibéis (db) – surdez leve;
  2. b) de 41 a 55 db – surdez moderada;
  3. c) de 56 a 70 db – surdez acentuada;
  4. d) de 71 a 90 db – surdez severa;
  5. e) acima de 91 db – surdez profunda; e
  6. f) anacusia;

III – deficiência visual – acuidade visual igual ou menor que 20/200 no melhor olho, após a melhor correção, ou campo visual inferior a 20º (tabela de Snellen), ou ocorrência simultânea de ambas as situações;

I – deficiência física – alteração completa ou parcial de um ou mais segmentos do corpo humano, acarretando o comprometimento da função física, apresentando-se sob a forma de paraplegia, paraparesia, monoplegia, monoparesia, tetraplegia, tetraparesia, triplegia, triparesia, hemiplegia, hemiparesia, ostomia, amputação ou ausência de membro, paralisia cerebral, nanismo, membros com deformidade congênita ou adquirida, exceto as deformidades estéticas e as que não produzam dificuldades para o desempenho de funções;   (Redação dada pelo Decreto nº 5.296, de 2004)

II – deficiência auditiva – perda bilateral, parcial ou total, de quarenta e um decibéis (dB) ou mais, aferida por audiograma nas freqüências de 500HZ, 1.000HZ, 2.000Hz e 3.000Hz;   (Redação dada pelo Decreto nº 5.296, de 2004)

III – deficiência visual – cegueira, na qual a acuidade visual é igual ou menor que 0,05 no melhor olho, com a melhor correção óptica; a baixa visão, que significa acuidade visual entre 0,3 e 0,05 no melhor olho, com a melhor correção óptica; os casos nos quais a somatória da medida do campo visual em ambos os olhos for igual ou menor que 60o; ou a ocorrência simultânea de quaisquer das condições anteriores;   (Redação dada pelo Decreto nº 5.296, de 2004)

IV – deficiência mental – funcionamento intelectual significativamente inferior à média, com manifestação antes dos dezoito anos e limitações associadas a duas ou mais áreas de habilidades adaptativas, tais como:

  1. a) comunicação;
  2. b) cuidado pessoal;
  3. c) habilidades sociais;
  4. d) utilização da comunidade;
  5. d) utilização dos recursos da comunidade; (Redação dada pelo Decreto nº 5.296, de 2004)
  6. e) saúde e segurança;
  7. f) habilidades acadêmicas;
  8. g) lazer; e
  9. h) trabalho;

V – deficiência múltipla – associação de duas ou mais deficiências.”

Resumindo, a pessoa que tem escoliose pode enquadrar-se como portadora de necessidades especiais desde que a escoliose comprometa funções físicas, sendo esse comprometimento avaliado e comprovado por um profissional capacitado. Se assim for, a pessoa terá o direito de possuir o que é especificado no Estatuto da Pessoa com Deficiência, dentro é claro da sua situação em particular {só clicar nas palavras em azul que direciona para o documento}.

Espero ter ajudado,

Com amor,

Tete

 

 

 

 

 

Lei nº 2411/2017

Ciao,

Sim, vocês já leram um título semelhante a esse e siiiiiim mais uma lei aprovada que visa a Detecção Precoce da Escoliose com base na triagem escolar e no Teste de Adams.

A cidade que está dando o exemplo agora é Faxinal Dos Guedes – SC, que através do vereador Lucas Ramilo, agora também conta com essa lei que irá beneficiar muitas pessoas. Segue um trecho do documento: “Art 1º Fica instituído, no âmbito do município de Faxinal dos Guedes, o Programa de Detecção Precoce de Escoliose para os alunos da rede municipal de ensino.”

É tanta felicidade ver que, aos poucos, essa rede de conscientização vai ficando cada vez maior e mais importante. Muito muito obrigada, em nome dos que estão nessa batalha, à todxs que tornaram isso possível! E vamos trabalhando sempre mais para essas ações do bem se multiplicarem!

Com amor,

Tete

 

 

V Encontro Da Escoliose

Ciao,

Sábado passado {dia 24} foi o dia Internacional de Conscientização da Escoliose e foi também o dia do V Encontro da Escoliose no Rio de Janeiro. Foi incrível e emocionante como sempre. O evento contou com as palavras do Dr. Leonardo Grandi {médico fisiatra} falando sobre pesquisas a respeito do uso do colete, Dr. Messias Fernandes de Oliveira {psicólogo} falando sobre psicologia no manejo de problemas e também o Dr. José Rocha Cunha, um grande nome da fisioterapia que falou sobre a espirometria e além disso falou uma frase que para mim foi a que marcou esse encontro: “Não devemos tratar a escoliose da pessoa, devemos tratar a pessoa com escoliose”. Existem palavras mais verdadeiras que essas?! O tratamento deve levar em conta o conjunto de fatores que estão junto com a escoliose, sendo o emocional e a história de vida de cada um, elementos que pesam muuuito na balança e fazem uma super diferença. Já a Dra. Patricia, bom, nem preciso falar que ela sempre arrasa hahah tenho muito orgulho e gratidão em fazer meu tratamento com uma pessoa tão maravilhosa quanto ela, que vem conquistando muito reconhecimento tanto nacional como internacional. Tivemos também o prazer de receber os “Sapinhos da Esperança” {sapinhos em dobradura} da Erica Felix, a pessoa com o maior coração desse mundo. Também teve sorteio de alguns presentes, entre eles, livros. O mais legal é que os sorteados não viam a capa dos livros, mas sim apenas um resumo que estava grampeado no papel que os envolviam. Uma ideia incrível do Kleber Prates que foi quem proporcionou tais livros. Eu também tive a oportunidade de participar e falei sobre como a lei de detecção precoce da escoliose, aprovada em Xanxerê, tem inspirado outras cidades e na felicidade e importância disso {❤}. Também falei sobre o projeto desenvolvido durante o mês de Junho, que foi o vídeo com várixs guerreirxs da escoliose contando um pouco da sua batalha {link do YouTube aqui}. Com a frase “Ame Suas Curvas” eu procurei mostrar que aceitando, cuidando, respeitando e amando a escoliose todo o tratamento, os momentos difíceis e as horas de tristeza ficam beeem mais leves e fáceis de serem encaradas.

Toda essa mensagem conseguiu ser transmitida através da arte super delicada e alegre desenvolvida pela minha “prirmã” e designer Bianca Vicini Bonotto. Essa arte circulou pelo Facebook de muitas pessoas como também pelos muros da Avenida Paulista e da faculdade em que estudo!

Só gratidão e alegria é o que eu posso sentir e ter por esse mês de Junho 💚

Com amor,

Tete

Nova série de exercícios

Ciao,

Hoje vou falar um pouco sobre a nova série de exercícios que estou fazendo!! Semana passada minha mãe e eu fomos ao Rio para fazer a consulta com a Dra. Patricia!

Estou há uma semana fazendo os exercícios novos e essa já é minha série favorita. Me sinto bem e feliz demais fazendo eles!! São 8 exercícios que exigem mais força muscular em conjunto com a autocorreção postural! Está sendo ótimo pra mim, principalmente nessa fase de retirada do colete, em que preciso mais do que nunca estar bem fortalecida! Parece que minha mente está entendendo os comandos, as posições e o alinhamento correto {e vocês não imaginam como isso deixa feliz, quem tem escoliose}!

Quem sabe eu não faça um vídeo mostrando eles?! Ops, será que vem um canal no YouTube por aí?! 🙈

Logo, logo falo de tudo heheh!

Com amor,

Tete!

Embrace Your Brace

Ciao,

Esse look do dia é, sem dúvidas, o mais especial para mim. Em todas as outras composições de roupas que eu postei aqui, o meu colete não apareceu, mas esta é a primeira vez que ele é o destaque do look {hahaha}, e eu não poderia estar mais realizada. Só agora, depois de quase cinco anos, eu tenho orgulho e felicidade quando meu colete aparece. Vi, com isso, a oportunidade de eu mostrar para as pessoas que a escoliose precisa ser vista, discutida e estudada cada vez mais, e que o colete não precisa ser um bicho de sete cabeças, ou algo “estranho” {que é como muitos, infelizmente, ainda o enxergam}. Assim como existem pessoas que usam tornozeleiras, joelheiras e outros curativos e equipamentos para tratarem seus machucados, existem muitas crianças e adolescentes que usam o COLETE {um auxílio tão natural quanto todos os outros que eu citei antes} para tratar a coluna. Está na hora de deixar a vergonha e a insegurança de lado, e não pensar no que os outros podem achar de você, mas pensar no que vai lhe deixar bem e feliz consigo. Está na hora de descomplicar e desmistificar a escoliose! Abrace seu colete, EMBRACE YOUR BRACE ❤

Ps.: Nunca esqueça que toda adaptação e mudança demoram sim! Levou um tempão para eu pensar dessa forma! Take your time.. sem pressa! Tudo tem sua hora!

 

Com amor,

Tete

Presente de Natal adiantado!

Ciao,

Good news!! Ontem fui para o Rio {com a minha companheira preferida que eu amo demais, minha mamis} para consultar com a Dra. Patricia. Agora tenho uma nova série de exercícios para por em prática que vão ajudar cada vez mais a corrigir a danada da escoliose {rs}! A parte que mais me desafiou e deu um frio na barriga: vou começar a retirar o colete! {Uma mistura de medo, nostalgia, felicidade e alívio}. Passa um filme na cabeça, desde o primeiro molde, todos os medos, as adaptações a cada troca de colete e as conquistas também! Nessa primeira fase passarei de 23h diárias para 16h. Mais um desafio, pois estou usando o colete à quase 5 anos, sempre brinco que ele se tornou uma parte do meu corpo praticamente {de tão acostumada que fiquei}, mas estou super positiva e sei que tudo vai dar certo!!
Ps.: Vou postando como será essa nova fase por aqui e logo logo também farei um post especial contando um pouco sobre cada colete que eu usei!

Com amor,

Tete

IV Encontro da Escoliose

Ciao,

Sábado passado foi um dia extremamente importante e especial, foi o dia do IV Encontro de Conscientização da Escoliose. Ele foi organizado com todo o amor e carinho do mundo pela Dra. Patricia Mentges, pelo Sr. Hector e toda equipe do Projeto Escoliose {os quais tentam cada vez mais informar corretamente sobre a escoliose, promovendo mudanças positivas}. Quem esteve presente teve a oportunidade de aprender muito com as histórias do Fabinho Fernandes, da Erica Felix e das Mães da Escoliose. Histórias estas de superação, persistência, fé, garra.. {enfim, poderia escrever um post inteiro só falando das qualidades}. Também tive a oportunidade de falar sobre o projeto de lei, o blog e um pouco da minha história! Saí de lá com uma lição e tanto: minhas dificuldades não são nada perto das dificuldades de tantos outros, por isso tenho que agradecer e NUNCA reclamar, só agradecer. Também sai de lá decepcionada e indignada com o país que vivo, um país que faz uma menina esperar 8 ANOS em um fila para conseguir uma cirurgia de escoliose {detalhe, essa menina teve que refazer a cirurgia 3 vezes porque os parafusos e a haste deram problema}, um país que não disponibiliza colete e fisioterapia de qualidade, um país que não informa {sim, já perguntaram se escoliose “pegava”}, um país que cada vez mais arrecada impostos, rouba, engana, um país que cada vez mais MENOS FAZ.
Nos resta abrir os olhos, exigir, mudar e tentar fazer a diferença.

With love,

Tete

 

Lei n° 3814/2015

Ciao,

Hoje trago uma notícia maravilhosa e um avanço no que diz respeito a consciência sobre escoliose. “Foi instituído no âmbito do município de Xanxerê, o programa de detecção precoce de escoliose nos alunos da rede municipal de ensino.” O projeto dessa lei surgiu de uma conversa que meus pais e eu tivemos com o vereador Biasus que prontamente fez o projeto e o colocou para votação na Câmara. Espero que essa atitude possa ajudar cada vez mais pessoas, alertar sobre a importância da detecção e tratamento precoce da escoliose e que outros municípios também sigam o exemplo de Xanxerê!

With love,

Tete

 

Junho, mês da escoliose

Ciao,

Segue um textinho que fiz em razão do Mês da Escoliose, welcome June <3:

Às vezes, diante de uma dificuldade, nos perguntamos: por que eu? A resposta é outra pergunta: porque NÃO você? Diversas foram e são as situações que fico “de saco cheio” pelo colete que dói e etc, mas aí eu paro e vejo o quão sortuda eu sou por ter um colete, por poder estar fazendo um tratamento, e o melhor, o quão sortuda eu sou por TER escoliose. Com ela eu aprendi e amadureci muito, aprendizado e amadurecimento estes que, tenho certeza, demoraria alguns anos a mais pra eu ter conquistado. Muito disso veio da minha avó Therezinha, toda vez que eu ficava triste com a minha situação, lembrava-me dela, que mesmo com problema de surdez, uma ostomia e uma colostomia, estava SEMPRE sorrindo, grata à vida e o mais surpreendente, cheia de FÉ. Então, se você também passa pela mesma situação que a minha ou por algum outro problema, lembre-se que a sua vida é do jeitinho que ela deve ser, que Deus escreve certo por linhas tortas e que só cabe à você tirar dos infortúnios uma oportunidade para crescer como ser humano ❤

Feliz mês da conscientização da escoliose!

Com amor,
Tete

O colete machuca, e agora?

Ciao,

Semana passada minha mãe e eu fomos ao Rio fazer o reacompanhamento do tratamento SEAS na fisioterapeuta Patricia Mentges. Já estou pondo em prática a nova série de 12 exercícios com força total hahah!

Como estou em adaptação ao colete novo que é o de Goss {farei um post falando sobre} tenho alguns pontos que estão machucados. A Dra. Patricia me passou várias dicas super legais as quais já estão dando resultado para mim:

-Ao contrário do que pensamos, não é indicado passar creme nos machucados pois ele vai tornar a pele mais fina, machucando ainda mais. O ideal é passar álcool 70%, assim a pela fica mais “dura”, ou seja resistente àquela área de atrito.

-Também algo que estou fazendo é colocar absorvente diário {carefree} em cima no machucado {com a parte do algodão voltado para a lesão}, amortece muito a dor.

Espero que essa dicas ajudem vocês também <3!

Com amor,

Tete

Tratamento SEAS

Ciao,

Hoje vou falar um pouco sobre o tratamento que realizo para a escoliose. Faço uma série exercícios diários do método SEAS, específicos para minha curva, os quais são readaptados de 3 em 3 meses. Coloquei um trecho do site Projeto Escoliose que explica direitinho.

“SEAS (Scientific Exercises Approach to Scoliosis – Exercícios científicos na abordagem da escoliose).

O conceito SEAS foi desenvolvido no ISICO (Instituto Científico Italiano da Coluna vertebral), uma organização inteiramente dedicada ao tratamento conservador – não cirúrgico – da escoliose e coluna vertebral, um dos principais institutos do mundo no tratamento de deformidades vertebrais, altamente especializado (consulte as publicações científicas aqui), e embasado em mais de 30 anos de prática, resultados e intensa pesquisa.

A inovação do conceito está no fato de que após uma avaliação criteriosa, se desenvolve um programa de exercícios individualmente prescrito, que é ensinado aos pacientes e seus pais, e que deverá ser realizado em casa.

Isso permite um alcance muito maior, ou seja, um número muito maior de pessoas pode ser elegível para o tratamento. Os pacientes realizam uma única sessão a cada 2-3 meses em que são devidamente avaliados por um fisioterapeuta especializado em escoliose e aprende uma série de exercícios personalizados (específicos) para seu caso.

Como consequência, os pacientes que vêm de longe serão capazes de participar do programa de tratamento, como já acontece. Não há dispositivos específicos caros necessários, o que também torna o tratamento mais viável e adaptado para as condições sócio-econômicas do nosso país. Isso é muito importante já que o tratamento dura o tempo que a criança ou o adolescente, no caso da escoliose idiopática do adolescente, estiver em crescimento, ou seja, o tempo necessário.

Os objetivos do tratamento através do método SEAS são: a redução da curva da escoliose, a contenção de sua progressão, potencializar os resultados do uso e aplicação das órteses (coletes ortopédicos), como também em outros casos diminuição da aceleração do crescimento da curva (para as escolioses progressivas) e nos casos mais graves, preparar o corpo para um melhor resultado na cirurgia.

O maior êxito ou sucesso será obtido quanto mais precoce for a detecção e consequente intervenção.”

Caso você também tenha interesse é só preencher e enviar o formulário que tem no site. Eu sinto uma enorme diferença, a consciência corporal, postural e o alinhamento melhoram demais!

Com amor,

Tete

Escoliose e a natação

Ciao,

Se você  tem escoliose e está na dúvida em fazer ou não exercícios físicos a resposta é: sim, mil vezes sim! É importantíssimo dar condicionamento físico para o nosso corpo, tanto no fortalecimento dos músculos como da respiração. Minha fisioterapeuta permitiu que eu fizesse natação, um esporte que pratico desde que eu descobri a curvatura. Ele oferece inúmeros benefícios, separei alguns do site do Projeto Escoliose:

-Reduz as forças compressivas, diminuindo o estresse sobre a coluna vertebral e seus músculos;

-A água oferece resistência, que pode trabalhar os músculos e melhorar a resistência e a flexibilidade;

-Construói os músculos dos braços, pernas e costas, melhorando o equilíbrio geral e força muscular;

-A temperatura fria da água melhora a circulação para os tecidos do corpo;

-Alívio do estresse e pode ajudar a liberar a tensão, possivelmente reduzindo um pouco de dor crônica.

Ps.: é preciso pedir a opinião de seu médico ou fisioterapeuta antes começar. Também é importante ter em mente que a natação não trata a escoliose e nem muda a  natureza da curva da coluna.

Espero que tenham gostado,

Com amor,

Tete

 

 

Como tudo começou…

tudo começou no final de 2011 quando minha prima percebeu, em um dia na piscina, que eu tinha uma lado mais “acinturado” que o outro. fiz aquele teste de encostar as mãos nos pés e pudemos perceber as curvaturas. meus pais ficaram com aquele peso na consciência acompanhado da famosa frase: como não vimos isso antes? o importante nesse momento é não ficar com culpa de nadica de nada; mas sim ter em mente que tudo tem solução, é só manter a calma.

já em Fevereiro de 2012 fui ao médico em chapecó, cidade vizinha a minha, xanxerê, que fica no oeste de santa  catarina. a indicação dele foi que eu fizesse apenas fisioterapia – RPG e fosse controlando através de raio-x.

obs.: naquele ponto eu estava com 20 graus na torácica e 25 graus na lombar.

porém, meus pais acharam melhor ouvir mais opiniões, então fomos à são paulo.

a proposta do primeiro médico foi como um balde de água fria: usar o colete milwaukee. nossos olhos encheram de lágrimas, mas calma, ainda tínhamos uma terceira opinião para consultar que trouxe uma forma de tratamento mais, na medida do possível, suave: o colete de boston. ficou decidido que eu seguiria esta última.

meu colete foi confeccionado pela AACD. lembro-me muito bem do dia em que fui até lá, com meu tio, para fazer o pedido. foi um choque, percebi que o meu problema, se é que posso chamar de problema, é um grão de arroz perto do que outras crianças passavam e passam. foi ai que eu agradeci à Deus e encarei a escoliose como algo normal na minha vida, fazendo do colete o meu melhor amigo.

tenho que admitir, no início foi bem complicado, fui a cada dia usando o colete um pouquinho mais, até que depois de 20 dias, só tirava mesmo para tomar banho.

meu pai, depois de ler o livro a menina da coluna torta descobriu a fisioterapeuta patricia italo mentges fundadora do Projeto Escoliose Brasil. portanto, em paralelo ao uso do colete, comecei a fazer exercícios fisioterapêuticos específicos para escoliose.

passados três anos, decidimos mudar de médico e procuramos o doutor luiz eduardo munhoz da rocha de curitiba. com ele fiz meus terceiro e quarto coletes. sim, é necessário trocar pois com o crescimento, as medidas do corpo mudam e o colete começa machucar. ao logo de 8 anos usei 10 coletes.

infelizmente, minha escoliose começou a piorar, e em 2014 atingiu os 40 graus na torácica e quase 50 na lombar. meus pais ficaram super preocupados {pra não dizer desesperados} e com medo de que fosse preciso fazer o procedimento cirúrgico. por isso, fomos atrás de um tratamento alternativo na califórnia, eua em julho do mesmo ano.

infelizmente, minha escoliose começou a piorar, e em 2014 atingiu os 40 graus na torácica e quase 50 na lombar. meus pais ficaram super preocupados (pra não dizer desesperados) e com medo de que fosse preciso fazer o procedimento cirúrgico. por isso, fomos atrás de um tratamento alternativo na califórniaeua em julho do mesmo ano. fiquei durante um ano e meio fazendo um tratamento (extremamente exaustivo). de 4 em 4 meses fazíamos o retorno e nesse meio tempo continuava o tratamento em casa, com o auxílio dos meus pais e fazendo skype para controlar e tirar as dúvidas. como toda experiência na nossa vida, esse tratamento me trouxe consequências positivas e negativas. comecei a ficar com alguns efeitos colaterais, tanto físicos como emocionais. Nunca falei disso, mas nessa época desenvolvi um distúrbio alimentar, o que deixou a situação bem mais delicada. além disso os exercícios me ocupavam muito tempo (em torno de 3 horas/dia) e a distância e o custo serem elevados. até que tomei a decisão de parar no final de 2015. tudo isso serviu como experiência e amadurecimento tanto para mim quanto para minha família. As vezes tomamos certas decisões sem pensar mesmo, mas tudo é experiência e nesse caso, serviu para que aprendessemos a realmente entender o que é um tratamento baseado em evidências científicas e que entendem o paciente como um todo, que é o caso do tratamento que realizo com o Projeto Escoliose Brasil. 

foi assim que voltei a fazer o tratamento no Projeto Escoliose Brasil, no rio de janeiro, com  a dra. patrícia, que me recebeu de braços abertos com muito carinho e profissionalismo. hoje, com 22 anos, não uso mais colete porém permaneço fazendo meus exercícios de correção postural. o tratamento segue o método SEAS, e para mim, tem sido ótimo e o MELHOR caminho que poderia ter seguido.

sabe o que foi fundamental? Minha família foi e é essencial em toda essa trajetória, em especial minha mãe e meu pai. eles me apoiaram, entenderam e deram força desde o princípio. além disso, muita fé, força de vontade, dedicação e pensamento positivo foram e são peças chaves. Se eu tive e ainda tenho crises de tristeza? ah se tive, inúúúmeras, mas que serviram pra eu crescer, amadurecer e JAMAIS desistir.

vou compartilhar por aqui dicas sobre minha rotina de atividades físicas e exercícios, sobre roupas para usar com o colete, como lidar com ele de uma forma mais leve e feliz e muito mais! espero do fundo do coração ajudar no que eu puder ❤ sinta-se à vontade para entrar em contato comigo!

vamos conviver com a escoliose com amor ❤

com amor,

tetê