Espirometria, o que é?

Ciao,

O assunto de hoje é mega importante, e aproveitando o curso que será dado sobre o assunto nos dias 30 de Setembro e 1 de outubro de 2017 no Rio de Janeiro pelo  Dr Jose Rocha Cunha e pela Dra. Patricia Mentges {dois profissionais incríveis que fazem parte do time do Instituto Projeto Escoliose Brasil}, resolvi escrever essa informação tão importante aqui no blog também.

Pegando como referência o texto postado pelo Instituto Projeto Escoliose no instagram “espirometria trata-se um exame simples, não invasivo, que avalia a função mecânica ventilatória. É um teste muito utilizado na prática clínica em diversas frentes, a saber: pré-operatório de cirurgia cardíaca, torácica, abdominal, cirurgia bariátrica, acompanhamento regular em atletas das diversas modalidades, como acompanhamento de profissões que envolvam repercussão ventilatória, em medicina do trabalho como exame admissional, diagnóstico de comprometimento restritivo, obstrutivo e misto da função ventilatória e como acompanhamento regular do efeito de medicamentos broncodilatadores no paciente obstrutivo e misto. De forma fundamental, também é indicado na avaliação do comprometimento ventilatório na escoliose, com ou sem presença de quadro respiratório concomitante, como por exemplo, asma, mucoviscidose, bronquite crônica, enfisema etc. Em relação à escoliose, a espirometria é mandatória no início do tratamento, durante e na fase de manutenção ou alta fisioterápica. É uma avaliação importante, não só para quantificar o grau de restrição e/ou obstrução, como também, para orientar procedimentos respiratórios durante o tratamento cinesiológico. Por se tratar de um teste não invasivo e que avalia função mecânica, está muito bem indicado para o fisioterapeuta comandar o exame, pois é o profissional apto a investigar possíveis alterações e efetuar procedimentos fisioterapêuticos baseados na espirometria. De forma crescente, são os fisioterapeutas que realizam a prova e, cada vez mais as seguradoras de saúde estão reconhecendo essa função. Infelizmente, o número de profissionais que estão inseridos nessa proposta ainda é reduzido.”

Esse post é mais uma tentativa de ir levando a informação correta sobre a escoliose adiante! Espero muito poder ajudar!

With love,

Tete

 

Anúncios

Livro “A menina da coluna torta”

Ciao,
Hoje vou falar sobre um livro que foi muito importante na minha trajetória e definiu parte dela. Logo quando descobrimos minha escoliose, meu pai começou a procurar e pesquisar na internet sobre o assunto, e foi quando ele encontrou o livro da Julia Barroso. Lembro que ele leu em uma tarde de tanto que ele gostou e se emocionou. Foi através desse livro que descobrimos o Instituto Projeto Escoliose Brasil, local onde eu faço meu tratamento e é de suma importância para minha escoliose. Na época foi, para mim, um amparo, como se eu não me sentisse sozinha e soubesse que era possível enfrentar tudo que viria pela frente, mesmo que essa trajetória parecesse meia incerta e confusa na época.
Viu como um livro e a leitura nos ajudam em muitos aspectos?! ❤
Retirei do site do livro um resumo feito pela autora:

“O livro “A menina da coluna torta” é uma história real. A minha história. Nele conto a experiência que tive com um grave desvio de coluna (escoliose) na adolescência, o uso do colete de Milwaukee e a operação. Além disso, falo das minhas viagens, paqueras, relação com os pais, abortos e outras coisas mais! É o relato sobre minhas dificuldades e superações. Com ele espero ajudar pessoas que atualmente se encontram na mesma situação que um dia estive e conquistar aqueles que querem apenas ler sobre uma história de vida. O livro conta ainda com depoimentos de pessoas que têm o mesmo problema e citações de profissionais da área sobre o assunto. Contamos ainda com dicas de moda da Patricia Veiga para quem precisa usar o colete ortopédico. Espero que gostem!” (http://www.juliabarroso.com.br/p/o-livro.html)

No próprio site há um link que direciona aos lugares de venda do livro. Vou deixá-lo aqui também: http://www.juliabarroso.com.br/p/basta-clicar-no-icone-da-livraria.html 
Só me resta agradecer à Julia por ter compartilhado a sua história de extrema superação e força e ao meu pai, que no meio daquela situação totalmente nova e desafiadora encontrou algo como esse livro para orientar o caminho do meu tratamento.
Se somos pessoas de bem, o bem vem até nós, nunca esqueçam disso.
(Fonte: http://www.juliabarroso.com.br/p/o-livro.html)
With love,
Tete

Débora Santos

Ciao,

O depoimento desse post é para ter como exemplo sempre! Tão lindo ver uma atitude de coragem como essa da Debora e mais lindo ainda o fato de ela ter compartilhado essa experiência incrível e essa perspesctiva tão madura a respeito da escoliose. Você é incrível Débora! Segue o texto que ela postou em um grupo do Facebook e autorizou o compartilhamento aqui também:

“Sim! Fui com esse vestido no casamento do meu irmão
Sim! Fui madrinha e fiquei próxima aos noivos na frente de 300 pessoas
Sim!!! Tenho escoliose!!! 55° na torácica e 37° na lombar
Resolvi escrever devido a alguns depoimentos de baixa auto estima que já me deparei aqui e mães desesperadas, talvez ajude alguém. Nós, portadores, sabemos como é difícil aceitar algo que não sabemos de onde veio, não existe cura e nos deforma. Ainda temos que lidar com muitas informações erradas a respeito e sentimento de pena. E a pergunta mais discreta e mais comum que ouvimos é: Você sente dor ? E nessa hora penso será que sou tão torta a ponto de alguém preocupar com minha dor? Torta é uma palavra que não sabia lidar, não queria ouvir e ficava muito triste quando ouvia ou até quando eu pensava. Também não olhava para radiografia. Convivo com minha escoliose há 16 anos e grande parte desse tempo não aceitava bem, a minha solução foi esquecer, por muito tempo, apesar do grau elevado, nunca sentir dor então foi mais fácil esquecer, mas não é a melhor maneira de lidar. Hoje, lembro todos os dias e aceito minha condição. Hoje, não tenho vergonha de falar, não escondo e a palavra torta não me assusta mais. Afinal, ficar triste, com baixo auto estima, se esconder não vai curar minha escoliose. Nossa felicidade não pode se resumir a isso. Sei que na adolescência é mais difícil aceitar. Descobri a minha com 13 anos e já estava passando por muitas mudanças, mas sobrevivi a essa fase e Mães, pelo amor de Deus, não piore mais a situação. Não saem espalhando a notícia de que seu filho ou sua filha tem escoliose para a cidade inteira. Não fique dizendo para ele o quanto está preocupada. Foi minha mãe que avisou para meu namorado que tenho escoliose, não que ele não havia reparado, mas eu ainda não estava a vontade para contar. Fora todos da família e pessoas desconhecidas que ela contava. Sala de espera do ortopedista, era como dar doce para criança. Por isso Mães, sei como é difícil também para vocês. Mas deixem que seu filho ou filha diga que tem escoliose para quem e quando ele quiser contar. Quanto ao tratamento, vou relatar a MINHA experiência nesses 16 anos, lembrando que não sou médica. Também pode ajudar, afinal tive muita informação errada por parte dos médicos. Fisioterapia comum não resolve, RPG é excelente para postura mas não para a escoliose, não tem que esperar para ver se aumenta a escoliose ou não para definir um tratamento, o Grau da escoliose continua SIM aumentando mesmo quando paramos de crescer (pesquisas relatam até 1° grau cobb por ano), no meu caso descobri quando tinha 22° na toracica hoje tenho 55° e cirurgia não é a única solução. Quanto a cirurgia, segundo os médicos e a litetatura científica, quem tem acima de 50° precisa de cirurgia para correção, pois o Grau continua aumento e pode comprometer orgãos. Mas isso é só um número, cada caso é diferente. Eu não possuo comprometimento pulmonar nem dor, mas para o neurocirurgião e para 2 ortopedistas eu não tinha escolha a não ser cirurgia. Ainda precisava decidir logo pois já tenho 29 anos e quanto antes melhor. Eles estavam esperando somente meu ok, o plano iria aprovar, mas eu não queria me prender a 2 haste e 20 e poucos parafusos. Não sou contra cirurgia. Ainda bem que temos esse recurso e espero que a medicina continue evoluindo para que a cirurgia possa ser mais tranquila e segura. Acredito que deve ser o último recurso. Mas vejo uma certa banalização, muitos médicos indicando e até quem não precisa querendo fazer. Só que colocar duas haste de titânio não trata a escoliose, só segura para a coluna não continuar entortanto e melhora a estética porque fixa a haste para que fique mais alinhada possível, mas ela ainda está aí com você. Atualmente, estou em um tratamento de fisioterapia especializada em escoliose, o SEAS, estou a 5 meses e o objetivo é colocar a minha no eixo para compensar e não progredir. Mas prefiro relatar esse tratamento quando tiver mais dados. Enfim, escolha um tratamento efetivo que faça você se sentir bem e não fique só com opinião de médico, corra atrás e busque informação. Nós, portadores, temos que ser os nossos melhores especialistas. Temos o dever de conscientizar e trabalhar para um diagnóstico precoce. E não deixe que a escoliose te enfraqueça, faça com que ela te fortaleça!!! Senti vontade de escrever, talvez tenha alguém que precise ler.”

IMG_4993

Incrível né?!

Que possa te inspirar tanto quanto me inspirou!

With love,

Tete